SHOWS

Lia Sophia

LiaSophia_450x250.jpg

    CANTORA, COMPOSITORA E INSTRUMENTISTA, Lia Sophia nasceu em 1978 na Guiana Francesa e aos dois anos de idade veio para o Brasil. Cresceu em Macapá e aos seis anos já era solista da Igreja. Os primeiros acordes ao violão surgiram aos nove anos por influência da mãe. Nascida em uma família de músicos, conviveu com diversos estilos musicais, do gospel ao brega, do bolero ao zouk, merengue, além das fortes influências do carimbó e do marabaixo, ritmos típicos da região norte. Aos 17 anos apaixona-se pela MPB e inicia sua carreira como intérprete.

Em agosto de 2005, lançou seu primeiro Álbum LIVRE.  Experimental e contemporâneo, inaugura a trajetória da artista como compositora e grande intérprete. Entre os sucessos deste disco estão “Eu só quero você” de Lia Sophia, bastante executada nas rádios locais e utilizada em campanhas publicitárias, “Boca” de Débora Vasconcelos, “Velhos Sonhos” de Mapyu e Nilson Chaves e a dançante “Eu” composta em parceria com Eliane Moura. Este primeiro trabalho teve excelente recepção do público e da crítica do Pará e contribuiu para firmá-la como um dos grandes nomes da música popular paraense.

    Com este disco, Lia viajou por várias cidades da região norte, recebeu o prêmio de “Cantora Revelação” no XXI Baile dos Artistas, fez shows ao lado de grandes nomes da música paraense como Nilson Chaves, Jane Duboc, Fafá de Belém; abriu shows de artistas como Maria Rita, Zeca Baleiro e Vanessa da Mata.

    Em 2007, seduziu o público do SESC Vila Mariana e do SESC Pinheiros em São Paulo.

    Em junho 2009, lança o Álbum CASTELO DE LUZ. Trabalho moderno, ousado, onde revela todas as suas facetas artísticas, cantando, compondo, tocando, arranjando e co-produzindo.

    A atmosfera do disco passeia pelo ambiente das décadas de 60 e 70, trazendo em seus arranjos de sopros o clima das Big Bands e em suas guitarras, os deleys típicos dos anos 70. Seguindo esta linha, na música “A Flor” é possível perceber o toque regional das Guitarradas, no groove de guitarra criado por Davi Amorim. Já em “Minhas Verdades”, um rock’in roll ao estilo “ie ie ie”, quem marca presença é o ritmo Lundu. E na delicadíssima e requintada “Mulher” a influência do Brega é percebida de maneira sutil.

    No final de 2008, Lia Sophia deu início a um projeto corajoso no qual já vinha mergulhando em pesquisas à quase dois anos: regravações de grandes clássicos da música brega da região norte. Essa pesquisa da artista resultou em seu terceiro CD, chamado “AMOR AMOR”, gravado no estúdio Zagas Music no Rio de Janeiro, com produção de Alexandre Moreira. Lançado em Belém no início do mês de maio, o Cd Amor Amor revela-se grande sucesso de vendas, e os shows obtiveram grande repercussão na mídia local e uma expressiva participação do público que lotou o Teatro Margarida Schivasappa nos dois dias de apresentação.

    O mais recente álbum da artista chama-se LIA SOPHIA e foi lançado em setembro de 2013. “O disco é espetacular. Lia mostra a força de sua juventude e sua maturidade. Este trabalho a confirma como uma das melhores cantoras de sua geração”, define o jornalista e produtor musical Nelson Motta, que acompanhou de perto a produção do CD. ‘Lia Sophia’ traz 14 faixas repletas de sensualidade. Mescladas às inovações de elementos eletrônicos, as canções surgem impregnadas de latinidade. Lia faz carimbopop, cumbiasoul e sob a influência do zouk, do brega e das guitarradas coloca todo mundo para dançar. São músicas que falam de temas do cotidiano com leveza e alegria, como faixa no carimbó  pop  “Amor  de  Promoção”,  uma  brincadeira  dançante  e  explosiva  sobre  amores  casuais. Para ouvir e não ficar parado. O disco traz também “Ai Menina”, trilha sonora de “Amor, Eterno Amor”, novela da Rede Globo, lançada pela primeira vez em CD,  faixa que já é sucesso em todo o país.